domingo, 23 de dezembro de 2012

Vem ano novo!


Eu fiquei pensando no que eu queria para 2013, e a resposta é continuidade. Acho bonito poder acompanhar as coisas se desenvolvendo, os sentimentos crescendo, o trabalho aumentando. É bonito seguir.
Então vamos seguindo, com saúde e cheios de esperança.

Ilustração: Vero Gatti

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

I’m not a look-alike!









Encontrar pessoas idênticas, porém que não tivessem nenhum parentesco. Este é o projeto do fotógrafo François Brunelle, intitulado I’m not a look-alike!
O que eu fico curiosa é para saber o que estas pessoas sentiram ao saberem que tinha alguém tão parecido com elas sem nenhum laço de sangue.
Será que eu tenho um clone por aí?

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

sábado, 8 de dezembro de 2012

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Cabeça e coração

A empresa têxtil escocesa Asha, desenvolveu uma série de turbantes de seda que ajudam as mulheres que estão fazendo tratamento contra o câncer, mais do que uma maneira de cobrir a falta de cabelo, os tecidos têm microcápsulas com benefícios terapêuticos como aromaterapia, proteção ultravioleta, e termorregulação.
Alguns tecidos se beneficiam da  aromaterapia, com microcápsulas de aloe vera ou lavanda, que conforme o atrito, liberam o aroma. Existem turbantes com termorregulação, que é feita através de uma cera que absorve calor e derrete em altas temperaturas e quando está frio,  funciona ao contrário, se solidifica e envia de calor.
Uma outra opção é o que libera vitaminas e hidratantes, e tem a possibilidade de personalizar, para atender necessidades específicas.

 O produto foi criando em conjunto com a Heriot-Watt University’s School of Textiles and Design .

  10 por cento da venda dos produtos serão doados para Maggie’s Cancer Caring Centres.

Imagens: http://ashatogether.co.uk/

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Yoko + John



 



Yoko se inspirou no amor de John para desenhar a sua coleção masculina em parceria com a marca Opening Ceremony. Pelo visto a coisa pegava fogo!Yes, Yes,Yes.
Veja a coleção toda aqui

Adam Gefen






"Monster Shells" para ativar aquele monstrinho criativo que existe dentro de cada pessoa.
http://adamgefen.com/

A caixa de beijos

Fotografia de Gertrude Chataway tirada por Lewis Carroll.

“Minha querida Gertrude, você vai ficar admirada, surpresa, desolada ao saber que terrível indisposição eu senti quando você partiu. Mandei chamar um médico e lhe disse: ‘Dê-me um remédio contra o cansaço porque eu estou cansado’. Ele me respondeu: ‘Nunca! Você não precisa de remédio! Se você está cansado, vá para a cama!’ ‘Não’, repliquei, ‘não se trata desse tipo de cansaço que passa quando se deita. Eu estou cansado no rosto.’ Ele ficou muito sério e depois disse: ‘Sim, estou vendo, é seu nariz que está cansado; e isso acontece por que você mete o nariz em tudo’. E eu respondi: ‘Não, não é bem o nariz. Talvez tenha sido um gole de ar’. Então ele fez uma expressão de espanto e disse: ‘Agora estou entendendo: naturalmente você tocou muitas árias em seu piano’. ‘De forma nenhuma, protestei. Nada de árias, mas de alguma coisa que fica entre o meu nariz e o meu queixo’. Aí ele ficou muito sério e perguntou: ‘Ultimamente você tem andado muito com seu queixo?’ Eu disse: ‘Não’. ‘Bem!’ disse ele, ‘isso me preocupa muito. Não sente alguma coisa nos lábios? ‘Claro!’ exclamei. É exatamente isso que eu sinto!’ Então ele ficou mais sério do que nunca e disse: ‘Acho que você andou dando muitos beijos’. ‘Bem’, respondi, ‘na verdade eu dei um beijo numa menininha que é muito minha amiga.’ ‘Pense bem’. disse ele, ‘você tem certeza de que foi somente um?’ Eu pensei bem e disse: ‘Talvez tenham sido onze’. Então o doutor respondeu: ‘Você não deve dar nenhum beijo até que seus lábios tenham descansado bastante’. ‘Mas o que devo fazer’, repliquei, ‘se ainda estou devendo a ela cento e oitenta e dois beijos?’ Nessa hora ele ficou tão triste, mas tão triste, que as lágrimas começaram a rolar em seu rosto. E ele disse: ‘Você pode enviálos numa caixa’. Então eu me lembrei de uma pequena caixa que eu havia comprado em Dover, pensando em poder um dia oferecê-la a uma menininha. Por isso é que eu lhe envio essa caixa depois de ter colocado nela todos os meus beijos. Diga-me se eles chegaram bem, ou se algum se perdeu pelo caminho.”

Carta que  Lewis Carroll mandou para Gertrude Chataway ( ele por volta de 30 e ela por volta de 9 anos de idade)

Texto visto aqui

Imagens: Reprodução